Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




JUSTIÇA FEITA! A MAIS UM VALOR DE CAMPO MAIOR

por Rosa Guerreiro Dias, em 06.10.10

Quando os homens!

Não esquecem os outros homens!

Isso quer dizer que se faz?

 

 

A simplicidade marcou presença

Um olhar sobre o sentimento poético!

Dois filhos de Campo Maior!

 

Desloquei-me propositamente a Campo Maior, a quando da Homenagem que o nosso Município fez, ao Distinto Professor Dr. Mário João de Oliveira Ruivo.

Mais que uma homenagem, foi um encontro de conterrâneos, e amigos.

 

O entusiástico e ao mesmo tempo emotivo discurso do Sr. Presidente da Câmara acerca do homenageado...

A admiração e o apreço contido nas palavras do não menos distinto Sr. Professor  e Historiador Francisco Galego...

A simplicidade natural do Homenageado, partilhando com o seu povo as histórias de sua infância passada em Campo Maior!

As memórias contadas na primeira pessoa, dum historial familiar que faz parte da história de todos os campomaiorenses.

Foram motivos suficientes para que a emoção tomasse conta de nós, fazendo com que este momento se torne inesquecível em nossas vidas.

 

Parabéns a todos os que directa ou indirectamente fizeram parte deste evento!

É razão para dizer, vamos a mais momentos destes, onde a justiça é o tema...

 

Este foi o meu abraço!

Como Homenagem sentida

Ao Distinto Professor

Dr. Mário João de Oliveira Ruivo

 

Alentejo, mais uma vez

O teu povo camponês

Voltou a dar que falar

Um filho teu, qual tesouro

Tem seu nome escrito a ouro

Nesses mundos dalém Mar!

Formado em Biologia

Espalhas-te a sabedoria

Sobre os Mares tua paixão

Teu nome fica na história

E ganha lugar na memória

Dum povo que é teu irmão

 

 

Se nunca é tarde para aprender

Nunca é tarde para dizer

Obrigada, meu amigo

Serás o grito maior

Neste campo que é o melhor

E onde nasce o melhor trigo

A terra deu-te a alegria

E o Oceano a magia

Que te havia de guiar

Da raiz veio a nobreza

Duma alma camponesa

Que no mundo marcou lugar

 

 

Poesias de almas sedentas

São elas o ouro dos poetas

Que eu trouxe para te dar

Trago a alegria comigo

Por te conhecer como amigo

E de te poder hoje abraçar…

Vou deixar o meu presente

Nas mãos da brava semente

Em plena homenagem de glória.

Mário Ruivo, tu não morrerás!

Com teu povo ficarás…

E serás parte da nossa história.

 

 

Rosa Guerreiro Dias

29-9-2010

02-10-2010

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:38


2 comentários

De Camponês a 06.10.2010 às 16:18

Mais completo sim Sra.

Cumpr.

De Anónimo a 06.10.2010 às 22:25

Cara Amiga
Como sempre o despertar da veia poética surge com oportunidade e de uma qualidade impar. Parabens por mais este belo poema. Vem muito a propósito.
Um abraço do amigo certo
Joaquim Avó

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D