Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




AS TALEGUINHAS DE IVONE

por Rosa Guerreiro Dias, em 06.02.09

Vivendo e Aprendendo

 

Saberes, sabores e aromas 

 

<<<Prima o nosso Alentejo

                         por tais riquezas >>>

 

Há uns dias atrás, visitei uma querida amiga.

De seu nome Ivone, mulher de uma graça invejavel, alentejana de raiz, castiça e uma boa contadora de histórias. 

Como já o tenho feito tantas vezes, pensei para os meus botões como é possivel passados tantos anos, a viver na capital ainda estar tão impregnada de usos e costumes da sua amada aldeia, lá nos confins do Alentejo.

Desta vez encontrei na sua cozinha várias taleguinhas de pano penduradas as quais me despertaram curiosidade não só pela graça que lhe achei, mas tambem pelo perfume que exalavam, cada uma delas servia para guardar ervas  secas aromáticas como, Poejo, Erva Luisa, Alecrim, Tilia, Oregãos, Louro, etc etc .

Perguntei a Ivone porque usava as talegas de pano e não uma caixa ou um saquinho de plástico, para guardar as ditas ervas? com seu ar de mulher despachada mas sabedora, respondeu; amiga; se elas estivessem numa caixa ou num saco de plastico não respiravam, não perfumavam o ambiente, e mofavam coitadinhas perdendo todas as suas qualidades e propriedades. 

Concordei; mais uma vez a sabedoria popular venceu, 

e convenceu.

Parabens Ivone, obrigada por seres minha amiga e por partilhares comigo a tua sabedoria.

Bem - hajas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:45


6 comentários

De joaquim candeias a 07.02.2009 às 14:27

Ola amiga Rosa
Já a dias que por aqui não vinha, mas hoje venho fazer uma visita e aproveito para ouvir o Antonio P. Bastos, neste trabalho da amiga, bastante conhecido por sinal.
Tambem para comentar em relação ao poste dedicado à D. Ivone. É verdade, quando nós vamos a casa de pessoas amigas, daquelas que ja tem uns anitos e ainda nos cheira a esses aromas que por sinal ainda vão utilizando nas comidas do dia a dia, é por isso que nós por cá ainda vamos dizendo- quando comia em casa da minha avó!!!! É verdade, a comida das avós era sempre melhor que a das mães.
Eu por sinal tinha uma avó que me fazia sempre o mesmo prato. hehehe. Ainda hoje me lembro e gosto bastante, embora o gosto não seja o mesmo.
Um abraço e bom fim de semana

De (So) Luis a 08.02.2009 às 17:38

Ora Rosinha, é só para dizer que já li o «puxão de orelhas» deixado no Blog da nossa amiga Ermelinda - bem dado (?).
Anotei entretanto o seu novo emai e irei ver se desta vez as minhas mensagens chegam a bom termo (!)
Grato pela companhia de ontem na Casa do Alentejo, em mais uma tarde inesquecível, de que foi pena não termos
podido ficar até ao final - vamos ver se sempre conseguimos vir a homenagear o Mestre Salgueiro na Alma Alentejana.
Como falado, esperamos por si no Centro da Cultura em Almada, pelas 16h do próximo dia 21 de Fevereiro, para colaborar no lançamento do livro «Retratos de Aljustrel», do nosso amigo alentejano Daniel Pardal - não confundir com
o convite do dia 28 à mesma hora para a «Poesia Vadia» dos Poetas Almadenses, onde já confirmou que iria estar.
Vi aqui um comentário dos «Serões do Alentejo» - para quando um convívio com eles?
Gostei muito das «taleguinhas» e do fundo musical. Um abraço.
O Alentejo não tem fim!

De Rosa Guerreiro Dias a 09.02.2009 às 08:47

Olá meu amigo! Até que enfim; ainda bem que passei pela Minda e deixei meu novo enderesso, se não! Bom deixemo-nos de tretas, hehehehe. Amigo nossa passagem pela tarde cultural da Casa do Alentejo, foi bom, mas o resto da tarde foi excelente, faltaram os amigos que tinham outro espectaculo. Fui convidada para fazer o dia internacional da Mulher, travei conhecimentos interessantes para novos voos, saldo positivo. Mande para o meu email, (rosaguerreirocm@hotmail.com ) as datas e horários dos nossos próximos encontros por favor e ainda as letras que se vão cantar para a adaptação do poema.
Aquele abraço da amiga certa.
Rosa Guerreiro

De (So) Luis a 09.02.2009 às 21:11

Já ontem enviei 2 ou 3 mails e hoje outros tantos sem resposta. Agora, com «puxão» ou sem «puxão», vou desistir.
Um abraço
O Alentejo não tem fim|

De Rosa Guerreiro Dias a 09.02.2009 às 21:55

meu amigo, continuo a não perceber, mas vamos fazer o seguinte deve haver algum entrave ou no seu gmail ou no meu hotmail, vou passar a ver todos os dias o meu gmail, como tal envie por favor todo o seu correio para. rosaguerreirocm@gmail.com .
Vamos ver se assim estamos em contacto, que maçada.Agora estou por aqui vou aguardar sua resposta.
Aquele abraço da amiga certa
Rosa

De joaquim avo a 13.02.2009 às 23:13

Estamos sempe a aprender coisas novas. Para mais quando se relacionam com o alentejo
Um abraço Joaquim Avó

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D