Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




BENDIZENDO A VIDA

por Rosa Guerreiro Dias, em 22.06.13
 VIVAM
       VIVA...
Viva o Alentejo em todo o seu esplendor
O Alto, o Baixo, seja ele qual for
Viva o " CRIADOR" que tudo nos deu
Em troca de nada, porque tudo é seu!
Vivam os Poetas e a sua Poesia
Viva a Amizade, que é irmã do Amor
Viva a ausência, da fome e da dor
E viva a chegada! A que nos trás alegria!



Vivam os Rios, as Serras, e os Montes
Um viva às Águas, que correm nas fontes
E vivam as Terras, prenhas de Alimento
Vivam, as Aves pousadas, ou voando
Vivam as Chuvadas, mas só de vez em quando
E viva o Sol, as Nuvens, e as Estrelas, lá no Firmamento!



Viva a Passarada, em alegre chilreio
A Terra semeada de Trigo ou Centeio
E viva o Calor, e o Frio sim 
E viva a própria Vida, que nos faz viver
E até a santa Noite para adormecer
E viva a própria morte!...
P’ró, repouso enfim!...



Rosa Guerreiro Dias
21-5-2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:36


História dum povo!

por Rosa Guerreiro Dias, em 22.06.13

Provérbios ou 

“Adágios Populares”

Quis testar a minha memória!
E sem ler em lado nenhum fui escrevendo o que há muito tenho gravado
como a exemplo, Adágios do nosso Portugal!
Este é um bom exercício para ver do que lembramos!
Experimentem e ficarão admirados com a vossa capacidade!
E o melhor deste e doutros testes!
É sabermos que eles são os grandes inimigos da:
Televisão com quem não dialogamos, da Arteriosclerose, do Alzheimer
e doutros males que nos roubam todas as qualidades
e capacidades de conversar, de conviver, de viver e aprender...



««««»»»»
Cautela e caldo de galinha – Nunca fez mal a ninguém!
No melhor pano – Cai a nódoa!
O diabo em não tendo que fazer - Abre o cú e apanha moscas!
Quem não semeia – Não colhe!
Quem vai p’ró Mar – Avia-se em terra!
Entre briga de marido e mulher – Não se mete a colher!
Ao rico, não faltes – Ao pobre não prometas!
Quem tudo quer - Tudo perde!
Mão que lava o cu - Lava a cara!
Homem de pouca barba - Homem de pouca vergonha!
Os homens - Não se medem aos palmos!
Mulheres de hoje -- Por trás Liceu - Pela frente museu!
Um homem vale por dois - Uma mulher vale por uma dúzia!--(m)
Ninguém é profeta! Na sua terra!
Assim como vive o Rei – Vivem os vassalos!
Quem tem telhados de vidro – Não pode atirar pedradas!
Não gozes com o mal do teu vizinho – Porque o teu vem a caminho!
É mais sábio pensar sem falar – Do que falar sem pensar!
Mais vale quem Deus ajuda – Do que quem cedo madruga!
Sabemos o que somos – Mas, não sabemos o que podemos ser!
De grão a grão – Enche a galinha o papo!
Quem quer, vai – Quem não quer, manda!
Presunção e água benta – Cada um toma a que quer!
A presunção – É a Mãe de todas as asneiras!
A minha liberdade acaba – Onde começa a tua!
O traje – Não faz o Monge!
Dá Deus nozes – A quem não tem dentes!
A ocasião – Faz o ladrão!
Gato escaldado – Até o gaspacho assopra!
Os cães ladram – A caravana passa!
Depois da tempestade – Vem sempre a bonança!
Não faças mal – À espera que te venha bem!
Não cuspas p’ró ar – Que te pode cair na cara!
Não guardes para amanhã – O que podes fazer hoje!
As obras feitas à noite – De dia aparecem!
O que não se fizer no dia de Santa Luzia – Faz-se no outro dia!
Ao diabo e à mulher – Nunca falta que fazer!
Ao cavalo dado – Não se olha o dente!
Casa de Ferreiro – Espeto de pau!
Quem vê caras – Não vê corações!
A fruta proibida – É sempre a mais apetecida!
O Sol quando nasce – É para todos!
Não é com vinagre - Que se apanham moscas!
Os Santos do pé da porta – Nunca fizeram milagres! 
Quem semeia ventos – Colhe tempestades!
Pelo andar da carruagem – Se vê quem vai lá dentro!
Não há Sábado sem Sol – Nem alma a quem Deus não console! (m)
Quando o diabo fecha uma porta – Deus abre sempre uma janela! (m)
A verdade é como o azeite – Anda sempre ao cimo da água!
Candeia que vai à frente – Alumia duas vezes!
Quem dá o que tem – A pedir vem!
Quem se deserda, antes que morra – Merece levar com uma cachaporra!
Antes que cases – Vê o que fazes!
Quem casa – Quer casa!
Quem se deita com crianças – Acorda molhado!
Na mesa onde não há pão – Todos ralham, e ninguém tem razão!
Quem não trabalha – Não paga o pão que come!
A fortuna é como o vidro – Tanto brilha, como quebra!
Nunca o invejoso medrou – Nem quem ao pé dele morou!
Filho és, pai serás – Conforme fizeres, assim acharás!
Quem conta um conto – Acrescenta-lhe um ponto!
Cesteiro que faz um cesto – Faz um cento!
Quem burro tem, e anda a pé – Mais burro é!
Quem conta com a panela alheia – Arrisca-se a ficar sem ceia!
Pedi à minha vizinha, envergonhei-me – Vim p’ra casa arremediei-me!
A mocidade ociosa – Traz velhice vergonhosa!
O mundo é uma bola – Quem vive nele é que se amola!
Ladrão que rouba ladrão – Tem cem anos de perdão! 
Patrão fora – Dia santo na loja!
O olho do dono – É que engorda o porco!


«««««»»»»»

Espero que tenha sido útil esta minha ideia
e que suscite em vós, o desejo de treinar as mentes positivamente
com este ou com outros assuntos!
Como por exemplo, os nomes dos nossos familiares
os nomes de amigos de infância e de escola, dos nossos professores!
Enfim, existem um sem número de ideias
que nos poderão ajudar a manter nossas capacidades exercitadas.

“Assim penso! Assim digo”
Aquele abraço da amiga certa!
Rosa Dias
4-5-2011
22-6-2013
Foto: História dum povo!Provérbios ou             “Adágios Populares”Quis testar a minha memória! E sem ler em lado nenhum fui escrevendo o que tinha gravado na memória sobre os Adágios do nosso Portugal!Este é um bom exercício para ver do que lembramos!Experimentem e ficarão admirados com a vossa capacidade!E o melhor deste e doutros testes!É sabermos que eles são os grandes inimigos da: Televisão com quem não dialogamos, da Arteriosclerose, do Alzheimer, e doutros males que nos roubam todas as qualidades e capacidades de conversar, e de viver… ««««»»»»Cautela e caldo de galinha – Nunca fez mal a ninguém!No melhor pano – Cai a nódoa!Quem não semeia – Não colhe!Quem vai p’ró Mar – Avia-se em terra!Entre briga de marido e mulher – Não se mete a colher!Ao rico, não faltes – Ao pobre não prometas!Quem tudo quer - Tudo perde!Mão que lava o cu - Lava a cara!Homem de pouca barba - Homem de pouca vergonha!Os homens - Não se medem aos palmos!Um homem vale por dois - Uma mulher vale por uma dúzia!Ninguém é profeta! Na sua terra!Assim como vive o Rei – Vivem os vassalos!Quem tem telhados de vidro – Não pode atirar pedradas!Não gozes com o mal do teu vizinho – Porque o teu vem a caminho!É mais sábio pensar sem falar – Do que falar sem pensar!Mais vale quem Deus ajuda – Do que quem cedo madruga!Sabemos o que somos – Mas, não sabemos o que podemos ser!De grão a grão – Enche a galinha o papo!Quem quer, vai – Quem não quer, manda!Presunção e água benta – Cada um toma a que quer!A presunção – É a Mãe de todas as asneiras!A minha liberdade acaba – Onde começa a tua!O traje – Não faz o Monge!Dá Deus nozes – A quem não tem dentes!A ocasião – Faz o ladrão!Gato escaldado – Até o gaspacho assopra!Os cães ladram – A caravana passa!Depois da tempestade – Vem sempre a bonança!Não faças mal – À espera que te venha bem!Não cuspas p’ró ar – Que te pode cair na cara!Não guardes para amanhã – O que podes fazer hoje!As obras feitas à noite – De dia aparecem!O que não se fizer no dia de Santa Luzia – Faz-se no outro dia!Ao diabo e à mulher – Nunca falta que fazer!Ao cavalo dado – Não se olha o dente!Casa de Ferreiro – Espeto de pau!Quem vê caras – Não vê corações!A fruta proibida – É sempre a mais apetecida!O Sol quando nasce – É para todos!Não é com vinagre - Que se apanham moscas!Os Santos do pé da porta – Nunca fizeram milagres! Quem semeia ventos – Colhe tempestades!Pelo andar da carruagem – Se vê quem vai lá dentro!Não há Sábado sem Sol – Nem alma a quem Deus não console!Quando o diabo fecha uma porta – Deus abre sempre uma janela!A verdade é como o azeite – Anda sempre ao cimo da água!Candeia que vai à frente – Alumia duas vezes!Quem dá o que tem – A pedir vem!Quem se deserda, antes que morra – Merece levar com uma cachaporra!Antes que cases – Vê o que fazes!Quem casa – Quer casa!Quem se deita com crianças – Acorda molhado!Na mesa onde não há pão – Todos ralham, e ninguém tem razão!Quem não trabalha – Não paga o pão que come!A fortuna é como o vidro – Tanto brilha, como quebra!Nunca o invejoso medrou – Nem quem ao pé dele morou!Filho és pai serás – Conforme fizeres, assim acharás!Quem conta um conto – Acrescenta-lhe um ponto!Cesteiro que faz um cesto – Faz um cento!Quem burro tem, e anda a pé – Mais burro é!Quem conta com a panela alheia – Arrisca-se a ficar sem ceia!Pedi à minha vizinha, envergonhei-me – Vim p’ra casa arremediei-me!A mocidade ociosa – Traz velhice vergonhosa!O mundo é uma bola – Quem vive nele é que se amola!Ladrão que rouba ladrão – Tem cem anos de perdão! Patrão fora – Dia santo na loja!O olho do dono – É que engorda o porco!«««««»»»»»Espero que tenha sido útil esta minha ideia, e que suscite em vós, o desejo de treinar as mentes positivamente, com este ou com outros assuntos!Como por exemplo, os nomes dos nossos familiares, os nomes de amigos de infância e de escola, dos nossos professores!Enfim, existem um sem número de ideias que nos poderão ajudar a manter nossas capacidades exercitadas.“Assim penso! Assim digo”Aquele abraço da amiga certa!Rosa Dias4-5-2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:01


Homenageando o Grande Poeta...

por Rosa Guerreiro Dias, em 16.06.13

Dizem que Finjo ou Minto

"Dizem que finjo ou minto 
Tudo que escrevo. Não. 
Eu simplesmente sinto 
Com a imaginação. 
Não uso o coração 

Tudo o que sonho ou passo, 
O que me falha ou finda, 
É como que um terraço 
Sobre outra coisa ainda 
Essa coisa é que é linda 

Por isso escrevo em meio 
Do que não está ao pé, 
Livre do meu enleio, 
Sério do que não é, 
Sentir, sinta quem lê!" 

Fernando Pessoa
in "Cancioneiro"

Rosa Guerreiro Dias

Foste o primeiro a dizer

(A Fernando Pessoa o Poeta fingidor)

Entendendo
Mas não concordando
Como provocar sentimento
Se não sentir aqui dentro
Aquilo, que estamos dando?

Tu
Meu Poeta maior
Nem o melhor fingidor
Podia fingir melhor…

Não usaste o coração
Por certo que tu usaste
Tu apenas te negaste
A dar razão à razão

Falavas de imaginação
Que era assim que tu sentias
Se até de ti próprio rias
Para não teres que dar a mão

Novelos embaraçados
Onde teus sonhos e passos
Viam a beleza em terraços
Para mal dos teus pecados

Para ti próprio mentias
P’ra sentir, sinta quem lê!
Dizias
Mas não sentias
E se assim te descrevias
Hoje
Quem te lê
Assim te vê.

Rosa Guerreiro Dias
14-6-2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:24


O Alentejo veio a Lisboa...

por Rosa Guerreiro Dias, em 11.06.13

SALÃO DOS ESPELHOS

CASA DO ALENTEJO 10 de Junho 2013                                


 

À Casa do Alentejo em Lisboa e aos seus principais representantes

Sr. Presidente João Proença

Dra. Rosa Calado

assim como a toda a direcção.



Mais uma vez, lhes tiro o meu chapéu.

Ao mesmo tempo, que dou os parabéns por tão bonita e original iniciativa!

Trazendo p'rá rua, p'ró coração da Capital, os usos, os costumes!

a gastronomia, os doces, o artesanato, o cante, a musica do nosso Alentejo.


Assim como a presença de Poetas e Escritores e sua literatura.

Que ali, foram partilhando directamente com os leitores e apreciadores de suas obras

de 4 a 10 de Junho na bela 'Praça da Figueira'.


Com este evento a 'Casa do Alentejo' quis dizer  a Portugal e ao mundo

Que apesar dos seus noventa anos de idade

E perante os momentos difíceis, que todo o português está passando

Ainda assim, a alegria a criatividade, a Cultura a partilha

continuam bem vivas neste Povo que não baixa os braços

perante as vicissitudes da vida.  


A Casa do Alentejo é um bom exemplo de força e sobrevivência

Continua bem viva, no propósito para que foi criada.

Divulgar, Unir e partilhar

Sempre no bom sentido da palavra!

A vertente Cultural, está sempre presente em todos os momentos

Mostrando ao mundo o que temos de melhor.

O Cante, a Musica, a Arte, a Poesia!

Entre vários Grupos que ali desfilaram ao longo da semama

Eis alguns dos que tive ocasião de fotografar. 

 'Grupo das Cantadeiras de Alma Alentejana'

                                                «»

'Grupo Coral e Etnográfico dos Amigos do Feijó'

                                     Da margem Sul

                   

                   'Grupo de Saias 'Vozes da nossa Terra'

                              De Campo Maior


Foram momentos de amizade e alegria que passei, que passámos

Durante a semana do Alentejo nas comemorações dos 90 anos da Casa do Alentejo!


Agradeço aos meus amigos da escrita que ali comungaram comigo esses dias

Alice Ruivo, Maria José Lascas, António Murteira,

Maria de Fátima Mendonça, Luís Maçarico, Conceição Ruivo, Eduardo Raposo

Fernando Mão de Ferro da Colibris!

Assim como à presença constante de uma querida amiga Eugénia Gomes

e outros e outras que não menciono, por mia culpa, pois me fugiram seus nomes

mas aos quais e desde já peço desculpa.


Para todos, todos sem excepção, deixo o meu abraço de amizade e simpatia. 


E foi assim, que entre dois dedos de conversa, risos, graças e autógrafos,

Poesia e Fado uma semana passou.

                                                    

Por fim e para fechar em beleza.

As belas flores de Campo Maior chegaram trazidas por uma amiga.

' Beatriz Bicho'

Bem-Hajas pelo teu carinho envolto num ramo de sardinheiras

onde uma flor branca pousa e onde uma linda papoila espreita.

Isto é Arte

A Arte das tuas mãos

A Arte das Camponesas. 

 

 

                                    'Rosa Dias e Beatriz Bicho'

                       

                        Criadas junto ao Castelo

                                O mesmo Sol as aqueceu

                                           Hoje de branco cabelo

                                                  Onde o tempo se perdeu

                        O seu sorriso, permanece

                                   Onde há força, e alegria

                                             Sua Arte jamais arrefece

                                                     Enquanto existir Poesia!  

                                      

 Rosa Guerreiro Dias

11-6-2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14


O 'Rap' o Repe da minha Vida...

por Rosa Guerreiro Dias, em 06.06.13

  

              

O Rap o 'Repe' da minha vida

        Não é um 'Repe' qualquer

                É a verdade vivida, e sentida

                        Da vida, da vida desta mulher...


Rosa Guerreiro Dias

6-6-2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

subscrever feeds