Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




CRIATURAS DO SOBRAL

por Rosa Guerreiro Dias, em 24.05.09

 

 Alentejanos

assistem ao documentário da BBC no computador levado pela SIC

 

BBC no Alentejo - Reportagem SIC

 

Sic levou computador portátil ao Alentejo para as populações assistirem ao documentário  da BBC sobre as criaturas do montado, do

sobral que foi filmado no Alentejo.

 

Março 2-2009 - 8:43

Natureza, Reportagem

 

Natureza

Rio Xévora

A cegonha sente-se em casa

 

J.Rosa Guerreiro Dias  < Poetisa Popular Alentejana>

 

    <<Viu, Sentiu, e escreveu>>

 

Criaturas do sobral

 

O Alentejo vibrou de novo
Eu vi, no olhar do nosso povo
Espanto, orgulho e emoção
Preso a um pequeno ecrã
Nesse dia de manhã
Com gente da televisão

 

Lá no café da aldeia
Onde a notícia escasseia
Foi uma surpresa e tanto
Uma pequena caixinha
Em cima duma mesinha
Prendia o povo de espanto

 

Era um filme virtual
Feito aqui em Portugal
Que p’rá <BBC> foi ensejo
Mostrando o que há por aqui
Uma passarada sem fim
Nos céus do nosso Alentejo

 

Gato bravo atiradiço
De olhar fixo qual feitiço
Correndo veloz sem medo
Mostrando a raça, na caça
Duma elegância com graça
Expondo p’ra nós seu segredo

 

Nem se queria acreditar
Tanta bicharada a saltar
Por essa planície inteira
O pastor dizia então
Este, <ê nâ> conheço não
Mas esta, esta é a águia caçadeira

 

O sobro árvore imponente
Nasce ali à nossa frente
Nos campos da solidão
Tem nove anos de pousio
E volta de novo a ter brio
Na cortiça, <sê> cascarão

 

Diz o homem <ê nã> resisto
Mas <tô> a gostar de ver isto
Por esta, <nã> esperava agora
Ver aqui a nossa terra
Que tanta beleza encerra
Parecem coisas de fora

 

Pelo cante <ê sê> dizer
Seu nome, sem estar a ver
Passarada que aqui se acoita
Conheço cada passada
Cada pedacinho de estrada
Cada árvore cada moita

 

Depois de tanto passarem
E por esses campos penarem
Chora o pastor de saudade
Lembrando as histórias contadas
As reais e as inventadas
Todas contêm verdade

 

Cai a lágrima, molha o rosto
Vem sereno o Sol - posto
Aquietar o coração
A estes homens de aldeia
Que vão em busca da ceia
Depois de tanta emoção

 

Como é que numa pequena caixa
Tanta coisa ali se encaixa
É demais p’ró <mê> pensar
Mudou tudo tanto, tanto
Fica a gente meio tonto
Se nos vêem a explicar

 

Estas modernices de agora
Feitas aqui e lá fora
Até que são engraçadas
Escarafuncham por todo o lado
Mostram o presente e o passado
Com máquinas sofisticadas

 

Se <mê> pai erguesse a cabeça
E visse tanta diferença
Nesta nova geração
Morria <da' repentemente>
Nem sequer dava tempo à gente
De lhe explicar a evolução

 

Agradeço estes momentos
Ao lembrar outros encantos
Das sofridas mocidades

Tinham muito mais pureza
Mais apego à natureza
E deixaram tantas saudades

 

Ficamos de novo à espera
Seja Verão, ou Primavera
Há por aqui muitas belezas
Raras pedras, flores raras
Há papoilas e searas
Nestas terras Portuguesas

 

Voltem sempre meus amigos
Mostrem aos novos e aos antigos
Memórias da nossa gente
Do povo a que pertencemos
Será bom, nunca esquecermos

Passado sempre presente

 

Rosa Guerreiro Dias

3-3-2009

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:34


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

subscrever feeds